11.8.06

Capítulo 4: (Daniela)

_Achou as meias pretas, Ricardo? _ Alice perguntou assim que o marido chegou para juntar-se a nós, na mesa de jantar. Inciou, então, uma conversa com ele ara preencher o vácuo do nosso diálogo que não emplacara.
_Ah! Achei sim, lá na gaveta do canto, lá na última porta. _ respondeu com um leve tom de ironia, alongando o "a" do "lá". _ É que amanhã tenho que acordar bem cedo para ir a uma reunião e deixei tudo pronto em cima da poltrona.
_Ele é todo metódico! _ Alice soltou uma risada de quem suprime o outro. Não perdera seu jeito.
_ E você, Daniela? Está aí tão quieta, só observando?... _ Ricardo puxou assunto de uma maneira tão brusca. Será que ele não queria que minha irmã iniciasse uma sessão de exposição de todos os seus defeitos?
_Ah!... _ ri constrangida por eles terem percebido a minha imerção em meus pensamentos e suposições.
_Conta sobre a viagem. O que fazia nos Estados Unidos? _ Ele estava, definitivamente, interessado em não ser o foco em questão.
_Ela era garçonete. _ Alice respondeu antes de mim.
_Mas fazia outra atividade, além de trabalhar para ganhar dinheiro? Lá as pessoas ganham melhor, se souberem aproveitar as chances, não é? _ Ricardo, pelo visto, tentava sempre amenizar o clima hostil que Alice tentava instaurar.
_Ah, claro! Trabalhei como ajudante em um roteiro de filme, conheci vários lugares muito interessantes, foi, enfim, uma experiência enriquecedora. Ganhei uma bagagem cultural ótima.
_Pena que não serviu para trazer certificado algum. Afinal, fazer "serviços gerais" em um filme não é tão importante aqui no Brasil. Você tem que fazer faculdade como nós fizemos! _ Alice apontou para eles dois com o dedo da mão que segurava o copo erguido. Bebeu o suco e voltou a cortar seu bife. Ricardo olhou-a longamente por uns segundos e ela percebeu que estava sendo observada. _ Que foi, gente? Eu sou realista! O mercado pede capacitação técnica, não pode ficar a vida inteira naquela viagem ao mundo Disney! Não é, Ricardo? _ buscou apoio.
_... _ ele passou o guardanapo na boca de maneira bem demorada, tentando tomar tempo.
_... Se não se importam... Eu vou para o quarto. Preciso descansar... _ cortei logo a chance de iniciar uma briga entre os dois, eu não chegara naquela casa para trazer discórdia, o quanto mais invisível eu permanecesse, melhor!

Levantei e fui até a dependência de empregada. Olhei para uma das camas de solteiro e deixei meu corpo cair. Meus olhos fecharam-se sozinhos, pesados. Apaguei até a hora do almoço do dia seguinte. Tomei um banho e perguntei a empregada na cozinha pelos patrões. Alice estava na loja e "doutor" Ricardo já era hora de ter chegado.
Na sala, encontrei um DVD sobre o sofá.
_Era para eu ter assistido ontem. _ Uma voz atrás de mim assustou-me. _Desculpe. _ Ricardo riu e começou a desamarrar o nó da gravata como quem tira a forca do pescoço. _ Odeio esse troço!
_Tudo bem. _ continuei lendo a sinopse do filme na contra capa.

_Então... Você deve ter adorado trabalhar no roteiro. Imagina! Ver as cenas, os erros... _ ele se jogou no sofá de pernas abertas, com ajuda de um pé retirou o sapato e depois fez isso com o outro par.
Ele estava querendo continuar o assunto da noite anterior, emendar com a reticência que ficou no diálogo do jantar.
_Ah! Era interessante ver os erros, as repetições, conviver perto dos artistas... _ sentei no sofá também.
_Mas, como foi sua reunião? _ tentei mudar de assunto.
_Ah! Ótima, bons negócios. Lá é assim... _ ele parou por alguns segundos com a boca entreaberta. _ ...Esquece, você não vai querer que eu fique falando de economia. _ meneou a cabeça para os lados.
_Qual o preconceito? Pode falar! _ insisti.
_Então, lá a gente ganha conforme o ganho do cliente. É uma consultoria de empresas. Eu ajudo as empresas a organizarem seus lucros e faturar mais, indico o melhor investimento...
_Puxa! Deve ser excitante!
_Excitante? _ repetiu a palavra, não com ironia, mas sem acreditar que eu pudesse ter feito aquela observação.
_É! Porque é um jogo de riscos. De não saber se vai dar certo, e quando dá, é como uma vitória.
_E-xa-ta-men-te! _ ele arrastou a palavra com um olhar de estupefamento para mim, não crendo que eu pudesse saber o que ele sentia com sua profissão.
_...e você? O que quer fazer aqui no Brasil?
_Bem... Eu... _ acomodei-me melhor no sofá. _ Primeiro...

10 comentários:

Ana Paula disse...

Li!!!!!!! seu livro está cada dia melhor!!!!! to adorando!!!!!! bjus!!!!

ale disse...

Sera que ela quer ser atriz??
A seguir cenas do proximo capitulo!!!
Estou adorando isso, e ate indiquei seu blog para outros!!!

Cris disse...

Vim por indicacao da Ale ai em cima e estou adorando!
Parabens!

Carine disse...

Eu??? ai ai ai mais mais... !

Lucy disse...

Eu simplesmente adoro estórias e livros e contos diversos... sou fascinada pela imaginação das pessoas e pelo que elas podem criar!

Li, estou amando a estória!!! Bjo!!!

Cel disse...

Li, q malvada! N pode terminar assim! hahahahhaha
beijos!

Bah disse...

Não pode postar 2 a cada dia? ;]

Camila Mose =] disse...

aiii um cadinho por diaaaa nohhh soh isso q mata rsss
=p

aiii ta uma delícia a estoria amiga!
e ainda com as fotos fica tão real =]~

beijosssssss =***

te lovu!

A Princesa disse...

Ah! que ótimo! Vai ser muito bom ter um capítulo novo todos os dias, destrai...

beijo!

Plincesa Lucy disse...

Pra vocês verem como é diferente a pessoa do que a irmã acha dela, não é? Mas, convenhamos, a Alice não é confiável para dar opinião sobre quem é quem, certo? hahahahaha

O Ricardo está descobrindo isso aos poucos... que divertido!!! \o/