8.8.06

Capítulo 1(Ricardo)

_Eu não sei qual sapato usar! _ Alice era só uma voz ao fundo e uma sombra azul se mexendo pelo quarto. Eu estava completamente absorvido nos gráficos da tela do meu computador._ Se você vai ficar aí enrolando, então, melhor nem ir porque eu odeio chegar atrasada.

Eu podia argumentar que se eu tomasse banho por último, ainda assim, conseguiria tirar um sono na sala enquanto ela se arrumava. Incrível como Alice conseguia fazer combinatória com todos as roupas do guarda-roupa e, no fim, ficar com a primeira. Mas, eu estava realmente preocupado com a condição da bolsa de valores. Não ia nada bem.

_Ricardo, você só pode estar brincando comigo, né? _ A voz, agora mais estridente, bem no meu ouvido quebrou minha concentração.

Com a testa franzida, olhei-a e soltei um suspiro. Agora eu dera para entrar na fase de não enfrentar brigas. O médico explicara que, no estado dela, faria mal para o bebê uma mãe estressada e depressiva. Arrastei-me para o banheiro e lembrei de todas as missas que minha mãe me obrigou a ir durante minha juventude. Voltei a sentir aquela sensação de ser empurrado do aconchego das minhas manhãs de domingo sob meu edredom para tomar uma ducha fria.

Alice era bem assim, um pouco minha mãe. Ela conseguira transformar minha vida de solteiro dono-do-meu-nariz para uma existência de casado-futuro-pai em menos de seis meses. Por que eu não fugia disso? Simplesmente, porque ela tinha um jeito de me provar que, da maneira dela, tudo era mais coerente e resultaria numa felicidade mais compensadora.
_Ricaaaaardo! _ ela deu um grito do quarto.
Escorreguei no sabão do piso do box e corri para a porta do banheiro:
_Que houve? Alguma coisa com o bebê? _ afastei a espuma dos olhos.
_Não, mas não é nada bom... _ ela tacou o telefone sem fio em cima da cama. _ É a minha irmã... Eu já te falei dela... Ela acabou de ligar e...

Revirei os olhos, dei meia volta e retornei para o banho. Por que algumas mulheres sempre fazem uma tempestade e transformam a vida num teatro?

_ Ela está voltando dos Estados Unidos semana que vem e... não tem onde ficar... _ Alice expôs a situação com uma voz tão desesperada que parecia uma adolescente em apuros.
_A sua irmã não tem nenhuma amiga aqui? _ perguntei.
_Não... Ela pediu para ficar com a gente, já que eu tinha dito que a casa era grande...
Eu abri a porta do box e coloquei a cabeça para fora:
_ A sua irmã não é aquela de que sempre me falou: egoísta, que adora roubar a atenção de todo mundo, arrogante, que tem uma personalidade inconstante e difícil de conviver?
_Bom eu disse, mas...
_E quer trazer ela para cá? _ ri irônico.
_Ah, Ricardo, por favor... _ ela fez aquela carinha do gato de botas do filme "Shrek".
_... _ Fechei a porta do banheiro sem nada responder.
Que incrível: uma mulher, um filho, uma cunhada e um cachorro na minha casa, em um semestre. No meu reduto, no meu paraíso.
Em que ponto mesmo eu me perdi?

8 comentários:

Camila Mose disse...

Liii ai q LINDO!

ateh me emociono =p

sei q não é seu primeiro livro, mas ameeeei a iniciativa, e pensar q ja falávamos em escrever livro na 5ªe 8ª séries neh!? =)
sempre te darei apoio amiga!
vc ta construindo seu futuro e eh liiindo! =D
amei a historia =)
vou ler sempre \o/
te amo,ta!
=** beijosss

A Princesa disse...

Você não pretende abandonar essa história não né????????

tá nos favoritos, já!

Anônimo disse...

Tá ficando mtooo maneira! Nossa eu adoro como vc escreve, sabe falar bem, saber fazer a gente ri e se emocionar ao msm tempo, vc eh incrivel Li! Tem futuro! Continua assim q vc vai longe, vou tá sempre aqui a cada atualização, sempre de olho na sua historia! Um grande bjuu!

Nathy disse...

o anonimo sou eu: Nathy ;)
desculpa mandei sem kerer...

Carine Tebar disse...

Linda e talentosíssima amiga...

Ai ai ai coitado esse Ricardo eim? Td bem que eu tb casei em tempo recorde (10 meses), mas não obriguei o "meu" Ricardo (sim tb é ricardo, rs) a conviver com cachorro, cunhada e bebê heheh!

Ai ai quero mais!!

Beijos

CA

Bah disse...

Adoooooro o jeito como você escreve... Já disse isso umas 100 vezes! Pois é... acabou de arranjar uma nova fã e uma nova leitora dessa história...

Beijão, Li!

ThAíS! disse...

Num abandona, pleaseeee!!!

Plincesa Lucy disse...

Eu lembro quando li esse rimeiro capítulo. Como eu ri. Mas não lembro porque não continuei. Adorei esse início, já deixa uma certa simpatia pelo garotão e antipatia pelas duas irmãs. Mas, você é cheia de surpresas, não é? (rsss)

Será que ele vai explicar como tudo isso aconteceu ao longo da estória? (mulher é um bicho curioso - eu principalmente, adoro me "integrar", rsss) Gostaria de saber como foi que ocorreu essa proeza de tantas conquistas em tão curto período de tempo, realizados pela estérica e dramática Alice!

E esse cara precisa saber que os psicólogos já diziam: todo homem busca, inconscientemente, a sua mãe na futura esposa. E a mulher, busca o pai. Ainda vou ler mais sobre o assunto, mas não acha um pouco assustador??? (rsss)