21.8.06

Capítulo 10: (Daniela)

_Não foi trabalhar hoje mais cedo?_ perguntei a minha irmã, quando ela se sentou à mesa do café da manhã.
_Não, hoje eu não estou com vontade._ respondeu esnobe, sem olhar-me.
_Hum, que bom que você pode ter essa escolha._ comi uma uva.
_Eu nem sempre pude ter escolhas. Eu me esforcei muito para ter tudo o que eu queria. _ quase complementei que eu também me esforçava, mas não valia a pena interrompê-la._ Eu conquistei minha profissão, casa, marido...
_Você inclui ele entre seus objetos de conquista, parece estranho..._ comentei.
_Ora você não sabe que se deve conquistar as pessoas?_ farpou.
_..._ levantei os olhos e a mirei em cheio, sabia a quem ela se referia.
_Porque eu não costumo roubar quem não é meu.
_Eu não vou recomeçar essa guerra, estou fora._ levantei-me.
_Claro, agora tem vergonha do que fez.
_Eu não tenho vergonha!_ me virei irada.
_Ah! Não tem mesmo, porque se tivesse, não teria roubado o homem da minha vida._ ela levantou-se também.
_Mas não fui eu que matei o Carlos!_ levantei o tom de voz.
_Do que você está falando?_ ela enrubeceu de raiva.
_Você mexeu naquela moto, não foi? Você sabia que eu iria pegá-la, mas não contava que ele aparecesse na minha frente! E ele morreu por sua culpa!_desentalei aquilo.
_Não diga isso, sua..._ ela levantou a mão para me dar um tapa.
_Bate! Bate mesmo!_ cheguei mais perto._ Mas ele não vai voltar nunca mais, nem para mim, nem para você!
_Ele era o amor da minha vida!_ ela fez uma voz de vítima.
_Mas você não era da dele!_ lembrei-a.
_Você é uma qualquer que se ofereceu fácil para...

_..._ aguentei-me para não partir para cima dela, minhas mãos começaram a suar._Ele te disse que não te queria, que não te amava, Alice. Eu não tenho culpa se ele gostou de mim...
_Você se meteu no meio do caminho para roubar ele de mim! Se você não tivesse chegado...
_Acha que você conseguiria conquistá-lo, como conquistou seus bens materiais?!
_E você, que agora não tem nada? Só essa carinha linda, que te fez ganhar um monte de coisas fácil? Mas o que vem fácil, vai fácil..._ olhou-me de cima a baixo.
_Você o matou! Você matou o cara que mais amei! Você não suportou..._ as lágrimas vieram aos olhos._ Você nunca vai ser feliz, nunca!_ gritei com ela._... Não aguentou me ver feliz.
Você sempre foi invejosa, botava todo mundo contra mim!
_Mentira!_berrou e logo a empregada apareceu na sala.
_Você é muito suja! Usa de todos os métodos para conseguir o que quer! Até essa barriga...
_..._ deu-me um tapa com tanta força no meu rosto, que estalou._ Cala a boca.
_Eu não te odeio._ falei entre os dentes._ Eu tenho pena de você.
_Eu não preciso de pena, minha vida é perfeita!
_É?_ cheguei mais perto, meu rosto ficou quente._ E como você dorme com a lembrança da imagem do Daniel morto, ensanguentado? Como? Ele não foi o amor da sua vida?_ ironizei._ Quem ama não mata.
_Eu amava ele.
_Mas não me amava, por isso queria me matar, era eu que devia estar naquela moto!_ solucei._ Eu devia estar morta.
_É, era você que devia estar morta!_gritou._ você merece morrer!_ me pegou pelo pescoço e eu cai em cima do sofá, não queria tocá-la por causa da barriga.
_Mas o que está acontecendo aqui?_ Ricardo desceu as escadas correndo.
_Eu odeio você, garota!_ apertou meu pescoço com toda força e eu fiquei sem ar.
_Alice pára._ ele tentou contê-la, puxou-a para longe.
_... respirei com força, estava sem ar. Tossi e corri para o meu quarto. Bati a porta. Joguei-me na cama e me abracei ao travesseiro.
_Daniela abre essa porta!_ Ricardo bateu várias vezes até que percebeu que estava aberta e entrou..
_Me deixa sozinha.
_A Alice já está mais calma, mas não quis me contar o que houve. De ter sido sério, porque eu vi...
_Ricardo, me deixa sozinha..._ levantei-me e fui até a janela.
_Não, eu tenho o direito de saber..._ puxou-me pelo braço até que viu meu rosto e pescoço marcados._ Ai meu Deus...Sua boca está sangrando.
_Sai daqui!_ fechei os olhos, tentando manter a calma.
_Quem era o homem de quem você estava falando, Daniela?_ perguntou-me, como se toda sua vida dependesse daquela resposta. _Quem era?

9 comentários:

Cacau disse...

Eliane estou visitando os blogs destaque da GB,achei o seu super interessante, inteligente e diferente,não tenho uma opinião formada sobre a estória, mais fiquei curiosa e vou voltar pra ler toda a estória por isso estou te linkando. Beijos e uma semana de muita inspiração.

neidemel disse...

olá vim conhecer seu blog e achei super original muito bom mesmo, quero te dar os parabens pelo destaque na gazeta e te convidar para conhecer meu cantinho, bjos no seu coração.

ROSA MARIA disse...

Olá Boa noite
Parabens pelo premio de Destaque da Gazeta
Existe, no silêncio, tão grande sabedoria,☆ ╮
que, na maioria das vezes, ele se torna ☆ ╮
a mais perfeita das respostas.“ ☆ ╮
Tenha uma noite iluminada
Beijos com carinho

Ana Paula disse...

Li!!!! que história forte!!! to adorando!!!!!! bjus

Ana Paula disse...

Li do céu!!!!! kd o capitulo de hoje ???? hehehehe!!!!!! bjão!!!!

Lena Casas novas disse...

Li, vi vc lá no Gzeta como destaque parabpens!! Ah, resovi ontem, entrar lá também!E parece que a coisa, está esquentando em meio a troca de farpas.. tem um grande roubo ou o maior assaldo do mundo, o amor impossível, um amor incontrolável...

Bah disse...

E aí Lí???? hahaha Entrei ontem várias vezes e nada... hoje? nada... Esqueceu do triângulo daqui? Beijasso!

ThAíS! disse...

Que babado!!!

Plincesa Lucy disse...

Caramba! A estória está muito muito emocionante!! Forte forte! *suspiro* Ai ai!!! Eu preciso ir dormir mas quero ler mais! Ai que dilema!

Já já o Ricardo vai ter que despertar e ser o "homem" da casa pra colocar essas duas mulheres "no lugar". Eita, batalha!

Detalhe: É Carlos ou Daniel o cara que morreu na moto? Revisa essa parte em que a Daniela fala sobre esse cara. =)